O que será do mercado imobiliário durante e pós Covid 19?

28/04/2020

Já sabemos que a pandemia desacelerou as vendas do setor imobiliário. Stands de vendas fechados, lançamentos adiados, equipes de vendas trabalhando em home-office sem resultados expressivos, clientes reclusos, muitos com a insegurança no emprego ou até mesmo, convictos de que não é o momento para tomar decisões de compra que envolvam algum risco, principalmente aquisições de bens duráveis e contratos longos.

O mar não está para peixes imobiliários, mas não é fim da linha, pois os juros baixos tornam as aplicações financeiras menos atrativas e como no Brasil grande parcela dos investidores são conservadores, esta é a primeira luz no fim do túnel. O mercado está apresentado boas oportunidades para os investidores que queiram aumentar o seu patrimônio, pois é um ótimo momento para aquisições de imóveis com valores atrativos.

A outra parte da luz, é que estamos chegando a um déficit habitacional de 8 milhões de moradias isso somado a juros baixos fomenta a demanda a qual momentaneamente está represada por esta crise causada pelo Covid 19, mas que seguirá seu fluxo mercadológico assim que houver mais confiança e que o cenário esteja menos contraído.

Creio que após esta fase aguda, o setor imobiliário terá uma retomada gradual e encontrará um consumidor com mais informações e prudência, mas também ávido por novas experiências de consumo, como por exemplo restaurantes, bares, parques, viagens e cuidados estéticos. E sem dúvidas terá uma grande fatia do público com interesse numa nova moradia, possivelmente com mais espaço, lazer, segurança, serviços e podendo até ser mais distante dos grandes centros, uma vez que a quarentena o capacitou a trabalhar à distância.

O Brasil está em desenvolvimento, temos a menor taxa de juros da história e um grande déficit habitacional. E esta somatória torna o mercado imobiliário um segmento realmente promissor.

Marcelo Almeida

Diretor na Motriz Assessoria Imobiliária

www.motrizassessoria .com.br